Canadenses concluem sequenciamento genético do vírus.

Próximo passo é identificar a origem do vírus e descobrir como ele se dissemina.

Cientistas canadenses anunciaram nesta quarta-feira o sequenciamento genético do vírus A H1N1, causador da gripe suína. A expectativa é de que a descoberta ajude a identificar a origem do vírus e a descobrir como ele se dissemina e sofre mutações.

O doutor David Butler-Jones, secretário canadense de saúde pública, disse que pesquisadores do Laboratório Nacional de Microbiologia em Winnipeg decifraram a sequência genética de três amostras de vírus da gripe suína coletadas no México e no Canadá.

Na avaliação do secretário, o sequenciamento representa um avanço na tentativa de compreender o funcionamento do vírus.

Funcionários dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos vinham dizendo que o sequenciamento genético do vírus ajudaria a desvendar a evolução do A H1N1.

Isto não significa, no entanto, que eles serão capazes de conter a tratar imediatamente a doença.

O doutor Frank Plummer relatou que os cientistas canadenses realizaram o sequenciamento graças a amostras coletadas no México e nas províncias canadenses de Nova Escócia e Ontário.

O sequenciamento genético do vírus feito no Canadá descarta a hipótese de que teria ocorrido uma mutação como forma de explicar o fato de os casos ocorridos no México terem sido bem mais graves dos que os registrados em outros países.

“Estamos dando continuidade a nossa análise, mas, essencialmente, o que ela parece sugerir é que não há nada que diferencie” a amostra mexicana da canadense, disse Plummer.

Hoje, o governo mexicano elevou a 46 o número de mortes causadas pela doença. Nos Estados Unidos, duas pessoas morreram por causa da gripe suína, ambas no Texas, que faz fronteira com o México. O Canadá registrou 165 casos da doença, sem nenhuma morte. Com exceção do caso de uma menina, que foi grave, todos os demais foram moderados.

Plummer afirmou ainda que o sequenciamento ajudará os cientistas a determinaram a origem do vírus. “Trata-se de um marco importante e significativo para nós, mas ainda há muito trabalho pela frente”, concluiu. As informações são da Associated Press.

http://www.bemparana.com.br/index.php?n=106744&t=canadenses-concluem-sequenciamento-genetico-do-virus

Cientistas anunciam sequenciamento genético do bovino.

RIBEIRÃO PRETO – Após seis anos de estudos, um consórcio de 305 pesquisadores de 25 países, entre eles o Brasil, publica hoje na revista norte-americana “Science” o sequenciamento genético do bovino. Uma das principais conclusões é que a maioria dos cromossomos dos cerca de 22 mil genes do bovino corresponde aos cromossomos humanos. Além dessa semelhança, os pesquisadores apontam que os resultados práticos da pesquisa podem beneficiar o aumento da produção de carne e leite, bem como melhorar a qualidade dos derivados do boi.

“O genoma descrito pelo consórcio é o primeiro para um animal doméstico de grande importância econômica, inclusive para a economia brasileira e paulista. Os resultados terão grande aplicabilidade para a produção mais sustentável de carne e de leite, porque facilitam a compreensão da fisiologia dos bovinos e tornar mais eficaz o melhoramento dos sistemas de produção animal”, explica a professora Isabel Kinney Ferreira de Miranda Santos, orientadora no curso de pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP), uma das integrantes do consórcio de cientistas.

Além de sequenciar o genoma do boi e descrever como os genes estão ordenados, a pesquisa adicionou às sequências informação sobre a função biológica das proteínas que esses genes codificam, o que, na prática, apontará como foi a evolução dos bovinos e suas características biológicas.

De acordo com os pesquisadores da FMRP/USP, a ciência já sabia que os homens e os bovinos divergiram de um ancestral comum, que viveu há 95 milhões de anos. Apesar do longo período de evolução, bovinos e humanos ainda conservam um grau alto de similaridade, como apontado no sequenciamento genético, muito maior, por exemplo, que entre o homem e o camundongo. O camundongo é amplamente empregado pela pesquisa biomédica.

Segundo a pesquisadora Isabel Santos, da FMRP/USP, foi no sistema imune que o consórcio encontrou as principais diferenças entre o genoma bovino e os genomas do camundongo e humano. “Exemplos de genes que mostram variações e rearranjos significativos em relação ao ser humano e ao camundongo incluem os que codificam peptídeos antimicrobianos, que matam ou inibem bactérias; mudanças nos números de genes que codificam os interferons, proteínas que ativam a imunidade e, ainda, mudanças nos números e organização de genes envolvidos na imunidade inata, que é nossa primeira linha de defesa”, exemplificou a pesquisadora.

Ainda de acordo com ela, os resultados da pesquisa, além dos impactos diretos em estudos de biologia evolutiva e na melhoria da produção, também auxiliam nos estudos da fisiologia da lactação, da digestão e do metabolismo. Os dados podem explicar, por exemplo, a capacidade singular dos ruminantes de transformar, de modo muito eficiente, forrageiras de baixa qualidade nutricional em carne e leite de alto valor energético.

Além da USP, participaram do sequenciamento do genoma bovino no Brasil pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Assis (SP) e da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, em Brasília (DF). O projeto do genoma bovino foi liderado pelos doutores Richard Gibbs e George Weinstock, diretores e pesquisadores do Baylor College of Medicine (BCM) Human Genome Sequencing Center, Texas, EUA, Steven Kappes, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Ross Tellam, do Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation CSIRO, na Austrália, e Christine Elsik da Universidade de Georgetown (EUA).

Por: GUSTAVO PORTO – Agencia Estado
Cientistas anunciam sequenciamento genético do bovino. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,cientistas-anunciam-sequenciamento-genetico-do-bovino,359457,0.htm
Acesso em: 24 abr. 2009